Pessoas depressivas usam a linguagem de forma diferente; saiba como

Pessoas depressivas usam a linguagem de forma diferente; saiba como
fevereiro 08 10:27 2018 Print This Article
A depressão pode mudar quase tudo: desde a forma como você se mexe e dorme até como interage com as pessoas ao seu redor. É possível notar essas mudanças até na sua forma de falar ou na sua escrita. Por vezes, essa “linguagem da depressão” pode ter um impacto poderoso nos outros. Pense no impacto da poesia de Sylvia Plath e das composições de Kurt Cobain, que se suicidaram após sofrer de depressão.

Há muito tempo cientistas têm tentado identificar a relação entre a depressão e a linguagem. Graças à tecnologia, estamos chegando lá: nosso novo estudo, publicado no periódico Clinical Psychological Science, encontrou uma série de palavras que podem nos ajudar a prever de forma precisa se alguém está sofrendo de depressão.

A linguística tem o costume de analisar esse campos por meio de leituras de anotações. Atualmente, métodos de análise de texto por meio do computador nos permitem processar uma grande quantidade de bancos de dados em questão de minutos. Isso pode nos ajudar a identificar características linguísticas que os humanos podem deixar passar, calcular a porcentagem das palavras e os tipos delas, diversidade léxica, tamanho médio das frases, padrões gramaticais e outras métricas.

Até agora, ensaios pessoais e páginas dos diários de pessoas depressivas têm sido úteis, assim com os trabalhos de artistas como Plath e Cobain. Já a linguagem que as pessoas com depressão usam na fala do dia a dia também nos deu alguns insights. Juntos, os dois fatores da pesquisa revelam diferenças claras e consistentes entre a linguagem das pessoas que possuem e as que não possuem sintomas depressivos.

Conteúdo
A linguagem pode ser separada em dois componentes: conteúdo e estilo. O conteúdo se refere ao que nós expressamos, ou seja, o significado ou o assunto do qual estamos falando. Não é surpresa alguma descobrir que aqueles que possuem sintomas de depressão usam com frequência palavras relacionadas a emoções negativas, como “sozinho”, “triste” e “péssimo”.

O uso dos pronomes é ainda mais interessante. Pessoas depressivas usam bastante pronomes singulares em primeira pessoa, como “mim”, “eu” e “eu mesmo”, e usam com menos frequência pronomes em segunda e terceira pessoa, como “eles”, “ela”. Esse padrão sugere que pessoas depressivas estão mais focadas nelas mesmas e menos conectadas aos outros. Outros pesquisadores já sugeriram que os pronomes podem ser indicativos maiores para identificar a depressão do que o uso de palavras com conotações negativas.

Sabemos que o isolamento social é mais comum na depressão. No entanto, não sabemos se isso se reflete nas diferenças de atenção e estilo de pensamento. Será que a depressão faz com que as pessoas se foquem mais nelas mesmas ou as pessoas que focam mais em si mesmas desenvolvem sintomas depressivos?

Estilo
O estilo de linguagem diz mais sobre como nos expressamos do que sobre o assunto do qual estamos falando. Nosso laboratório recentemente conduziu uma análise de 64 fóruns online sobre saúde mental, examinando mais de 6,4 mil membros. Palavras que passam importância ou probabilidade, como “sempre”, “nada” e “completamente” foram os principais marcadores para saúde mental nos fóruns. Mais do que pronomes ou palavras negativas.

No começo, pensamos que as pessoas com depressão seriam mais “oito ou oitenta”, e que isso se manifestaria em seu estilo de linguagem. Comparando 19 fóruns diferentes, observamos que palavras como as destacadas acima são 50% mais presentes em grupos de discussão sobre depressão ou ansiedade, e 80% mais frequentes em fóruns com ideação suicida.

Os pronomes tiveram um padrão de distribuição parecido com essas palavras, mas com menor efeito. Já palavras com conotação negativa apareceram menos em fóruns de ideação suicida do que nos de depressão e ansiedade.

Nossa pesquisa também incluiu fóruns de recuperação, onde membros que acreditam ter se recuperado de episódios depressivos escrevem posts positivos e encorajadores sobre seus processos de recuperação. Observamos que aqui as palavras negativas foram usadas na mesma frequência que os fóruns analisados, enquanto as palavras positivas foram 70% mais utilizadas. Ainda assim, as palavras de importância e probabilidade apareceram ainda mais do que nos grupos analisados, mas menos do que em fóruns sobre depressão e ansiedade.

Aqueles que já tiveram sintomas depressivos têm mais chances de desenvolvê-los novamente. Logo, eles possuem uma tendência maior de pensar em termos de “importância e probabilidade”, mesmo se não estiverem passando por sintomas depressivos. O mesmo efeito foi observado no uso de pronomes, mas não em palavras negativas.

Consequências práticas
Compreender a linguagem da depressão pode nos ajudar a entender a forma como aqueles que sofrem com isso pensam, mas também há algumas consequências práticas. Pesquisadores estão combinando a análise automática de texto com machine learning (computadores que podem aprender a partir da experiência sem serem programados) para classificar uma varidade de condições de saúde mental por meio de amostras da linguagem natural, como posts em blogues, por exemplo.

Essa classificação já supera as que são feitas por psicólogos treinados. E ela só vai melhorar conforme mais dados forem fornecidos e mais algoritmos sofisticados forem desenvolvidos. Isso vai além de observar padrões de absolutismo, negatividade e pronomes já discutidos. O trabalho começou com o uso de computadores para identificar subcategorias específicas em problemas de saúde mental, como perfeccionismo, problemas de autoestima e ansiedade social.

Tendo dito isso, claro que é possível usar a linguagem associada à depressão sem de fato estar depressivo. Por fim, é como você se sente que define o que você passa. Mas de acordo com a Organização Mundial da Saúde, mais de 300 milhões do mundo vivem com depressão, 18% a mais do que em 200. Ter mais ferramentas para identificar essa condição é importante para melhorar a saúde mental das pessoas e prevenir que suicídios como os de Plath e Cobain ocorram.

*Mohammed Al-Mosaiwi é candidato a PhD em Psicologia na Universidade de Reading, na Inglaterra. A matéria original foi publicada em inglês no The Conversation

Fonte: Revista Galileu

Comentários

  Categories:
view more articles

About Article Author

Ana Moreira
Ana Moreira

View More Articles